terça-feira, 4 de maio de 2010

30/abril


Comecei a escrever esse post e ele ficou imenso. Eu falava de Aldous Huxley e “Admirável Mundo Novo”, comparando com “1984” e “V de Vingança” e discutia que as sociedades “perfeitas” tanto na ficção quando no mundo real derivam de governos totalitários (já que a outra opção é que elas sejam formadas por pessoas perfeitas, e aí só na ficção). Discutia como a queima de livros foi prática da igreja medieval, de Hitler, do Socialismo Soviético e de tantos outros estados que se pretendiam perfeitos. Concluía (mais ou menos no meio do texto) que o custo de uma sociedade “perfeita” é sempre as pessoas. Elas precisam ser tratadas como meros recursos, descartáveis, menos importantes do que o clube, o grupo, o estado, a igreja, sendo alijadas de tudo que essencialmente as torna pessoas, para o bem maior. Contei ainda um ou dois casos que ocorreram comigo ou pessoas próximas que ilustravam o que nos diferencia de bichos, o que nos torna gente (como uma amiga que num natal foi junto com a igreja distribuir sanduíches aos sem-teto e ouviu o agradecimento do mendigo no centro do Recife por não ser sopa de novo). Mais ou menos na quarta página eu estava conseguindo me direcionar para as conclusões desejadas, de que nada que deixe de dignificar as pessoas pode ser inerentemente bom e coisas do tipo. Aí lembrei da síntese de Joseima, e achei o texto absolutamente supérfluo diante do poder de concisão, da clareza e da elegância: “Tem coisa que não se faz com gente”.


quinta-feira, 29 de abril de 2010

29/abril


As encruzilhadas no caminho nos forçam a parar e reconsiderar. Tb são uma oportunidade de reclamar da vida, claro, e de como as coisas são tão difíceis etc, mas assim que a poeira e o drama diminuem nos permitimos a oportunidade de olhar pra nós mesmos. De pensar nas causas e princípios, e, principalmente, em sabermos quem somos. E corrigir nossos rumos.



quarta-feira, 28 de abril de 2010

28/abril


Só parando e retrocedendo é que, as vezes, se segue em frente. O risco de ficar longe da estrada por muito tempo é você acabar ficando com medo da estrada.

terça-feira, 27 de abril de 2010

27/abril


meu coração é um músculo involuntário e ele pulsa por você


segunda-feira, 26 de abril de 2010

26/abril


vejam o que um fotógrafo competente em uma cidade civilizada consegue desse céu =)


25/abril


Só pra demonstrar gratidão pelas coisas boas na minha vida. Fiz o treinamento do Wizard duas vezes em São Luís, mas não cheguei a dar aula lá. Deu errado as duas vezes, uma por questão de horários e a outra por mudança. Ano passado comecei a dar aula no Wizard daqui, da tríplice fronteira cerradina, e é preciso registrar: tem sido uma experiência maravilhosa. Além d etudo que é ótimo em poder dar aula e poder ter feito meu exame de certificação em proficiência em inglês toeic (score 940 de 990, uhu!) a um preço irrisório, a gestão da escola é super boa. De todas as coisas ótimas dessa parceria uma das melhores são as reuniões. É a ´´unic aempresa que conheci que TODAS as reuniões são úteis, 100% produtivas e só realizadas quando necessário. Em muitos locais que eu já dei aula, em dia de reunião eu pensava "quanto tão me pagando mesmo pra eu ir lá hoje? Acho que vou tomar banho de rio..." Já na Wizard aqui eu até esqueço de anotar as reuniões em minha folha de ponto (que eles lembram de anotar pra mim e me pagam do mesmo jeito =D )


24/abril


Ei, cês perceberam que o mundo ta acabando? A gente male male ta terminando o quarto mês do ano e tivemos o terremoto que acabou o Haiti, depois o terremoto no Chile que foi tão fudido que lançou ondas até no Japão (o que quer dizer que, literalmente, o impacto viajou METADE do mundo), e agora tem a porra desse vulcão que num para na Islândia e que a nuvem no finzinho da semana chegou até o Canadá. E isso só pra ficar nas catástrofes NATURAIS e nas maiores! Sem contar todo o resto. Como essa joça ta indo mesmo pras cucuia vou fazer coisas diferentes, revolucionárias, mudar tudo na minha vida! Hum hum... acho que vou tirar a barba!